Raindrop: Pagan Poetry

Spiderlings

by on maio.28, 2019, under Textos

He didn’t really remember when he first noticed it, but he clearly remembered how it was: he looked up, water dripping from his hair while he took an evening shower before going to bed, and he noticed the ever so tiny brownish speckle on a corner of his ceiling. He didn’t think much of it – why should he – but he definitely thought it was odd. He made a mental note to check that on the next day, as he planned to sleep early in order to wake up for a meeting on the following morning.

Needless to say, he didn’t check that again on the next day. Or the next. Or the next. It was probably a week or two when he happened to glance at that particular corner again, and he could clearly see that the speckle had legs. Thin, long, frail-looking legs supporting a small brown-or-yellow-ish body. It was just standing there, the spider.

“What a weird choice of place” was all he could think at the time. There were so many better places for a spider to decide to settle: branches, leaves, window corners, long hallways – just about anywhere else, and yet it had chosen to stick around his bathroom. “It’ll probably go away” he thought at the same time he decided he had no reason to kill it.

He liked spiders. They usually caught mosquitoes on their webs. He hated mosquitoes.

And so over the course of the next few weeks he’d occasionally glance up and see the spider there, apparently completely still, doing the same thing every day: absolutely nothing. But he felt something he could not really describe about the spider. He thought he didn’t feel lonely, as stupid as that might have sounded to anyone else. He thought it wasn’t bothered by him, despite having to endure hot steam coming out of his shower every day. “Maybe it even likes it. Maybe it sticks around because of that: hot steam showers. Nice and warm and cozy”

He started to worry: what was the spider eating? He never saw it move away from that corner, and the tiny web surely wasn’t in a good position to catch any mosquitoes. But it had been growing and looking healthy – at least as healthy as he thought spiders could be, with its eight limbs in the correct places and all. And not missing any pieces, which was probably more than he could say for most spiders he had seen around.

He realized that if the spider was staying, it needed a name. A cool name. Something worthy of introducing to his friends – that is, if any ever came to his bathroom. “What would you like to be called, little fella?”. The spider didn’t reply. It did seem to move around a bit in its web, which greatly pleased him though. So online he went, googling for “cool spider names”, and after wasting more time than he’d ever admit to anyone, he settled on “Legs”.

One day, while drying himself, he looked at the opposite corner of the ceiling and noticed a mosquito, dead, hanging from the ceiling. Puzzled, he looked closely, and sure enough it was a spider web. He looked back, and saw that Legs was still there, unflinching in its miniature domain. It was when he noticed that there was actually an almost invisible network of webs around the ceiling of his bathroom, which all led to Leg’s lair. He felt relieved: maybe its location wasn’t the worst possible, just a kinda crappy one.

And it was doing its job at killing mosquitoes. Good.

“Is Legs male or female?”. The thought occurred to him during one of his showers while he was talking about the daily events to the spider.

“If its male will it leave its web one day to mate and end up devoured by its companion?”. The thought filled him with horror: he didn’t want that to happen. He had the impulse to close the bathroom’s window, but that would just starve Legs to death. Stupid.

“But maybe its female”, he considered, “and if that’s so how can a male spider ever find it? Is it going to be devoured by its offspring?”. He didn’t want to think about that anymore, even though he thought he could use some of the spiderlings in his kitchen to catch fruit flies.

He made a song for Legs, and secretly sang it during shower almost every day. Each time he’d add a little bit, improving it in hopes it would please her (at this point he had arbitrarily decided that Legs was a her). It all started with a couple of words arranged in a childish verse, but eventually it had grown into a full song.

A full song that no one would ever listen to. Not even Legs, as he made sure he’d always have the shower running so she’d not listen. After all, who made songs for spiders anyway? She’d think he was crazy.

He’d take some of her spiderlings to the kitchen, and some to the balcony, he thought. He wasn’t sure he’d like any of them in his room, though: the thought of them walking over his face while he slept was horrifying and he’d probably end up smashing them on reflex.

When winter came he was worried that there was too much wind coming into his bathroom, and he’d leave the window half-closed. He didn’t want the mosquitoes not to be able to enter and be ensnared, but he also didn’t want the wind to blow the webbing away. Sure, his room felt cold, but he could deal with it.

Legs kept growing, and so did his weird affection to it. At first he was sure she’d just leave after a couple of weeks, and now he’d talk to her every day. He didn’t care he was letting madness take over him. He’d glace up during shower just to make sure she was there.

He’d quietly sing Leg’s song. It filled him with joy.

If anyone ever went through his google’s browser history, they’d be amazed to find queries such as “what is a spider’s lifespan” and “how do spiders drink water” and “how to make sure a spider is comfortable”. Maybe “amazed” isn’t the right reaction, but he sure preferred to think that’s what their reaction would be. Amazed at his devotion to the little arachnid in his bathroom.

One day he was showering and talking to Legs, as he usually did, when he realized something was off. Legs wasn’t there. He wasn’t sure how he didn’t notice it before and he hurriedly turned off the shower and began looking for the spider. He looked around the whole ceiling, hoping it would be collecting prey from its web.

Legs was gone.

He looked around the house, under all pieces of furniture, inside closets, pans.

Legs was gone.

The mess around his place suddenly made him nervous and he started to clean the whole house. He couldn’t find it anywhere.

Legs was gone.

He opened all his drawers, took out all his clothes, went through all the trash.

Legs was gone.

He had opened all boxes, turned every piece of clothing inside out.

Legs was gone.

It took a while for it to sink, and when it did a single tear came down his cheeks. Then another. And another. Suddenly he was sobbing and enraged. Was it the hot showers? Was it his singing? Was it his inability to keep the bathroom at a nice warm temperature? Was it that he closed the window and there were less mosquitoes?

Legs was gone. It didn’t really matter why.

It was gone, and he’d never take the spiderlings to his kitchen. He wished it was alive and happy – as happy as spiders can be.

The fruit flies were.

Comentários desativados em Spiderlings more...

Uptime

by on fev.06, 2018, under Sem categoria

[email protected]:~# uptime
17:39:59 up 416 days, 1:05, 1 user, load average: 0.00, 0.01, 0.05

[email protected]:~# shutdown -h now

[email protected]:~#
Broadcast message from [email protected]
(/dev/pts/0) at 17:40 …

The system is going down for halt NOW!

Comentários desativados em Uptime more...

Quero

by on abr.25, 2013, under Textos

O dormir não vem pelo querer,
Querer falar, querer entender;
Querer encontrar o sonho abandonado,
Querer ouvir, querer servir.

Quero esquecer a promessa
Que me fiz, de nunca mais querer,
Pois querer traz esperanças
E com ela inevitável dor.

Comentários desativados em Quero : more...

Chuva

by on out.21, 2011, under Textos

A superfície escura do lago era perturbada pelas gotas que, incessantemente, caíam emudecidas pelo ruído das nuvens que gritavam com vozes graves disputando a madrugada. Folhas dançavam pelo ar, desgarradas dos galhos aos quais tentaram em vão se segurar, adiando serem cobertas pela terra molhada pela chuva.

Debaixo de uma árvore, sempre que o céu se iluminava, via-se um vulto diferente dos grandes e velhos troncos, encolhido contra a madeira que oferecia o mais próximo de abrigo contra as partículas gélidas de água que viajavam impulsionadas pelo vento. A garota, sentada com os braços em volta dos joelhos, olhava para a escuridão além do lago sem realmente focar sua atenção em nada.

Sabia que não estava sozinha e provavelmente teria visto o homem que se aproximara lentamente se tivesse olhado em sua volta. Entre uma trovoada e outra, no entanto, havia escutado seus passos.

“Não quero vê-lo”, disse ao sentir que o homem estava próximo. De fato ele estava ligeiramente atrás dela e abriu um guarda-chuva, estendendo sobre a moça. Não disse nada, e apenas segurou o objeto em um gesto que o vento tornou sem razão – a chuva, propelida pelo vento, apenas passava de lado pela frágil proteção.

“Você não precisa olhar para trás”. As palavras saíram da boca do homem quase inaudíveis em meio à tempestade. Tentou aproximar mais o guarda-chuva da moça, mas sentiu uma mão segurar a sua. Sem olhar para trás, ela impedia que se aproximasse mais. Suspirou e deixou o guarda-chuva no chão ao lado dela. Em seguida, aproximou novamente sua mão dos ombros da mulher.

“Não irei”. Ao falar isso ela novamente segurou a mão dele, impedindo que se aproximasse mais e sem jamais se virar. Sentiu mais determinação na ação do homem, e apertou com força a mão indesejada, que após hesitar por um momento se afastou. Ouviu passos se afastarem pisando na terra molhada e, relutante, virou-se o suficiente para pegar o guarda-chuva e notou que havia mais algo além dele.

Pegou um objeto pequeno, e olhou-o cuidadosamente. Uma pequena rosa, que havia sido esmagada quando apertou a mão do homem. Nesse momento virou-se para trás, vendo de relance os contornos dele, já distante, quando um raio cortou o céu. Fez menção de levantar-se, mas quando houve um outro clarão já não o viu mais.

E no dia seguinte a chuva havia lavado suas pegadas.

Comentários desativados em Chuva :, more...

Gotas

by on out.16, 2011, under Textos

Chovia, e andar sentindo os pingos no rosto o deixava bem. Não parecia estar chorando, e as gotas lhe faziam companhia.

Comentários desativados em Gotas :, more...

Sentidos

by on dez.25, 2010, under Textos

Passos.

O silêncio absoluto foi quebrado. O ruído distante a princípio se aproximava cada vez mais, assustando os espíritos que estavam ali repousando a eternidades e fazendo com que, confusos, esbarrassem seus corpos imateriais uns nos outros.

Luz.

A escuridão absoluta foi quebrada. Mais chocante que o estalo dos velhos dijuntores foram os holofotes serem impalados pela corrente elétrica e gritarem com todas suas forças a claridade que estava engasgada em seus corpos vítreos.

Dor.

As sensações haviam se tornado tão aliens que fizeram com que o corpo inteiro estremessesse. Sentir havia se tornado tão alien que não conseguia distinguir o que era seu corpo e o que era a cela escura e silenciosa. E naquele momento sentiu tudo, dento de si mesmo, sensações vindas de uma agulha espetada por fora.

Com um grito as grades se quebraram; com um grito lembrou-se que tinha voz; com um grito percebeu que ainda existia.

Comentários desativados em Sentidos :, more...

Vida

by on out.04, 2010, under Textos

Minha vida é um livro,
Sem várias páginas, arrancadas, amassadas
Jogadas em alguma calçada no passado
Ou esquecidas em algum beco escuro

É uma coletânea de palavras inacabadas,
De sonhos não vividos,
De fatos jogados.

Como uma visita a uma livraria abandonada,
Guarda várias mentiras, várias verdades,
Majestosa em suas perguntas e respostas,
Trazendo poucas esperanças sem a coleção catalogada.

Minha vida é aqui dentro,
Onde só eu alcanço,
Onde só eu toco,
Onde só eu danço.

Onde só eu me encontro.

Comentários desativados em Vida :, more...

O Velho

by on set.24, 2010, under Textos

Teto branco. Cama cinza com colchão igualmente sem cor, como o teto e as paredes. A porta, negra, era o único contraste no quarto. A porta mesmo aberta não deixava entrar qualquer tipo de claridade, apenas um véu negro jazia do outro lado. Não haviam janelas. A única fonte de luz era um abajour sempre aceso em um dos cantos. Sobre o chão pois não havia qualquer outra mobília no quarto.

Neste quarto ele, deitado, desenhava com um velho lápis. No papel, o rosto de um velho, cheio de rugas e expressões faciais, tomava seus últimos contornos. Os olhos negros saltavam da página levando consigo toda a tristeza que estava igualmente estampada em seu rosto.  Os profundos traços em sua testa mostravam que durante sua vida viveu intensamente todo tipo de emoção.  Seus lábios, volumosos, cerrados tinham textura quebradiça, os cantos da sua boca com pequenas depressões de quem um dia riu muito. Depressões também abaixo de seus olhos, vales que um dia haviam sido regados abundantemente pelas lágrimas.

Uma pequena cicatriz no lado esquerdo do rosto, lembranças dos tempos em que batalhara contra a vida. Sim, como havia batalhado! No papel apenas esta era visível, por se tratar apenas do retrato de sua face, mas em seu corpo haviam sido talhadas marcas diversas, nunca havia desistido da luta. Não soubera naquela época por que lutava, apenas continuava pela esperança de um dia descobrir o motivo. Nunca fora orgulhoso de sua pátria, nunca fora fiel a pessoa alguma a ponto de continuar apenas por isso. Vivia sempre com a vã esperança de não se arrepender de tudo pelo que lutara.

Lutara até o último dia. Destruiu várias vidas, entristeceu inúmeras pessoas, partiu mais corações que poderia contar. Desenvolvera as mais covardes técnicas para atingir seus objetivos, tornara-se um mestre nas artes de camuflagem e espionagem. Os olhos pareciam até mesmo no papel ainda reterem esse poder, de ao mínimo contato lerem todas as coisas que as pessoas tentavam esconder.

E aprendera a confeccionar máscaras como ninguém. O rosto naquele papel podia assumir qualquer forma que desejasse. Conseguia ser a pessoa que quisesse, conseguia simular sentimentos e emoções tão bem que muitas vezes em sua vida enganara a si próprio. Muitas vezes inclusive havia se perdido no quarto de máscaras, sem saber qual era a face real e quais eram suas criações. Testara uma por uma, mas nunca ficara satisfeito. Todas eram boas para algumas situações, porém para outras eram totalmente incompatíveis. Boa parte de sua vida passara testando, uma a uma, essas máscaras.

As mãos trêmulas terminaram o desenho. Olhou com satisfação para o pedaço do papel, para os traços de diversos tons cinzas. E novamente seus lábios esboçaram um sorriso, desta vez real. Colou o papel na parede branca. Era a única coisa que faltava em seu quarto vazio.

Um espelho.

Comentários desativados em O Velho more...

Blank

by on ago.22, 2010, under Textos

This is just an empty shell,
Where all is looks, sweet lies
Eye candy, dandy smell
Neon boards, flashing lights

This is a blank book about life
Devoid of words,  empty of meaning,
Sporting a nice leather cover,
Packed in a paper covered gift box

Shipping now, worldwide

2 Comments :, more...

O Pássaro II

by on mar.13, 2010, under Textos

A noite havia iniciado sem lua nem estrelas no dia que o pássaro retornou à casa, o momento em que suas pequenas patas tocaram a madeira da janela aberta iluminado pelo clarão de um raio distante. O vento forte anunciava a aproximação da tempestade e a ave buscou abrigo na casa abandonada, que coincidentemente tinha sido no passado sua moradia. Estava vazia agora a não ser pelas plantas que haviam crescido ao longo das paredes e invadido o lugar pelas janelas, mensageiras da floresta que reclamava o local novamente.

O pássaro moveu a cabeça rapidamente de um lado para o outro, analisando o lugar, e pulou para cima de uma mesa velha, se encolhendo e ouvindo a chuva se aproximar do lado de fora. Logo a água, carregada pelo furioso vento, se espalhava por toda a floresta e chegava ao chão da construção passando por frestas entre as velhas telhas, apesar de não conseguir chegar até a ave. Se isso fosse possível o animal estaria sorrindo um sorriso amargo, pensando em quão irônico era estar novamente debaixo daquele teto, tão próximo da velha gaiola, agora vazia, que ainda estava pendurada na parede com a portinhola aberta. Não se lembrava quanto havia se passado, e isso não era realmente importante, mas se lembrava da tristeza que sentia ao ver o sol nascer, se pôr e nascer novamente com uma barra de metal cortando o disco iluminado ao meio.

Lembrava-se do dia em que sua dona havia aberto a portinhola e ele havia visto a floresta do alto. Lembrava-se da gratidão que havia sentido e das inúmeras vezes que havia voado até os limites da floresta e depois retornado para casa, sempre sendo recebido por um sorriso e um lugar confortável para passar os dias que ficava na casa. Tudo era perfeito: tinha sua liberdade, a floresta, o céu, a casa. Ia até onde as árvores encontravam as altas montanhas ou até o grande lago no lado oposto e, no fim doa, retornava. Até que, um dia, teve a impressão de ter visto algo no horizonte da grande massa azul de água, e percebeu que nunca havia considerado a possibilidade de haver algo além dos limites da floresta.

Um dia, pousado no galho mais alto da árvore mais próxima da água, se encheu de coragem e resolveu que iria descobrir o que havia do outro lado da água. Não sabia quanto teria que voar, mas tinha certeza que conseguiria. Pensando assim alçou vôo, com o sol sobre sua cabeça, subindo o mais alto que suas asas permitiram. Logo a floresta se tornava apenas um ponto diminuto no horizonte e o pássaro decidiu usar o sol para se guiar, pois logo não poderia mais circular e ver a direção tomando como base as copas das árvores, e logo tomou algumas estrelas que apareciam no céu como referência, pois a água já apagava a chama flamejante do astro. Era uma noite sem lua, mas as estrelas brilhavam forte no firmamento e ele sabia que enquanto estivessem naquela mesma posição ele estaria seguindo em frente.

Quando o véu negro começou a ser colorido ele avistou luzes ao longe, diferentes de qualquer estrela que conhecia. Estava cansado e o sol já estava novamente sobre sua cabeça quando finalmente pousou no topo de um prédio, maravilhado com as construções mais altas que qualquer árvore que já havia visto. Era como se um mundo completamente diferente existisse além daquele lago, e passou vários dias observando as pessoas, ouvindo o barulho, voando acima dos prédios. Depois seguiu ainda mais o sol poente, vendo as estradas, as fazendas, as florestas diferentes. Até que um dia decidiu voltar, e chegando em casa encontrou não um sorriso e sim foi recebido aos prantos e palavras tristes que falavam de preocupação, tristeza e saudade. E, sem entender, foi trancado novamente na gaiola, pois aquilo o manteria seguro.

Percebeu naquele dia que não pertencia à aquele lugar. Por mais que gostasse da moça que um dia o havia libertado, não era ali a seu lado que deveria ficar. Afinal ela era uma mulher, e ele, um pássaro. No dia seguinte, quando a gaiola foi aberta pela mulher para que colocasse água para o pássaro, ele se lançou pela portinhola e voou em direção às montanhas. Fez vários círculos enquanto subia, olhando triste para a mulher que gritava lá em baixo, mas não deixaria de seguir em frente. Ele gostava dela, mas seria impossível que os dois fossem felizes, pois ele possuia asas e ela não. Esperava que um dia ela entendesse isso, e não achasse que ele gostava menos dela por isso. Apenas seria impossível ser feliz preso ali, e sabia que ela também ficaria triste quando não o ouvisse mais cantar.

Quando amanheceu, a chuva já havia cessado. O pássaro olhou a casa vazia mais uma vez, e voou pela janela em direção ao céu.

Pois pássarios haviam nascido para voar.

Comentários desativados em O Pássaro II :, more...

Encontre